segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Companhia solitária


Debruçado no muro ele chorava. Sentindo o vento esparramando seus cabelos. Sentindo o gosto da angustia e sentindo o sabor da tristeza, vivendo a solidão.

Mas ele não estava só. Ele ainda não sabia, mas estava sendo observado pelo outro lado da janela. Havia alguém ali que ainda se importava. Esse alguém estava ali, para que pudesse fazer companhia mesmo que de longe.

Ele nem notou esta presença. Nem mesmo se sentiu acompanhado. Nem mesmo se ela dissesse, nem mesmo se o abraçasse.


Escrito por: Gabrielle Pires Silva (Tequila)

Postado por Gabrielle Pires Silva às 22:57

4 comentários:

criseadolescente disse...

encantador, voce expressa muita coisa em poucas palavras, parabens !

Laila Saltoris disse...

disse tudo o comentário acima, expressa muitas coisas em poucas palavras! não tem "encheção" de linguiça,
por isso sempre são perfeitos seus textos!

Nati disse...

encantador, voce expressa muita coisa em poucas palavras, parabens ! +1

Marcelle Braga disse...

encantador, voce expressa muita coisa em poucas palavras, parabens ! +2

Postar um comentário