sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Difícil

Texto sugerido e dedicado por e para: Mauro Junior
Mais difícil do que decidir, é não decidir. Pior que fazer, é deixar de fazer. Mais doloroso que partir, é deixar partir. Eu estive cercado de dificuldades. Situações que fizeram meu coração dobrar o ritmo da batida e diminuir a freqüência da pulsação. [...] Como se fosse possível.
Eu estive lutando contra as dificuldades, mas acabei me acomodando nelas. Elas também se fazem confortáveis à medida que fecho os olhos e não percebo a bagunça que me cerca. Quase nem me movo, quase não posso sair da encrenca que me meti. Eu escolhi não resolver nada.
Difíceis trajetos, difíceis escolhas, eu fraquejo e me mantenho de pé, mas encolhido em volta das dificuldades que me envolvem, que me causam medo. Eu não sei como resolver.
Eu esperava que você resolvesse tudo pra mim. Porque sempre faz tudo parecer mais fácil. Até seus olhos me passam a resposta certa.
Eu esperava que suas mãos nas minhas me conduzissem a direção certa. Porque você sempre soube [...] Eu não sei lidar com situações difíceis. 

Por: Gabrielle Pires Silva
Postado por Gabrielle Pires Silva às 22:56 10 comentários
sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Difícil

Texto sugerido e dedicado por e para:  Mauro Junior Mais difícil do que decidir, é não decidir. Pior que fazer, é deixar de fazer. Mais dolo...
Postado por Gabrielle Pires Silva às 22:56 10 comentários
segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Metades das minhas metades

Uma metade sem outras partes. Desencontrei-me das partes que me encaixam, do que me preenche e me tornei a única pessoa sem outra metade.
Vago na estrada mais longa sem nenhuma perspectiva de chegada, sem saber a hora da parada. Afinal onde está o meu lugar?
Ao lado de novos sorrisos, novos corações e novas aventuras, palpito uma chegada. Penso descobrir o que ansiei, mas logo perco-me novamente no vazio que não me preenche, não me invade, mas me faz companhia.
Trem sem trilho, que não tem destino nem caminho, como poderás percorrer o trajeto que não lhe foi proposto? Desgoverna, acelera, se perde, não chega a lugar nenhum.
Uma metade sem outra metade. Uma moeda só com cara, sem coroa, eu me sinto como um furacão de ventos contrários.
Nem sonhos, nem pesadelos. Não me lembro de dormir e acordar com gosto de um sonho bom. Acho que nem sonho mais. Quase me afundo na realidade tentando acreditar que faça algum sentido, mas onde mais eu poderia encontrar um sonho se não na vida real?
Nessa ganância sem conquistas, me sinto sozinho de novo. Me completo das metades dos outros, me divido mais do que me multiplico, permaneço sem rumo e destrilhado, desgovernado numa rota perdida. Me objetivo a ter objetivos e acabo me perdendo sem nunca ter me encontrado.

Escrito por: Gabrielle Pires Silva
Postado por Gabrielle Pires Silva às 12:17 23 comentários
segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Metades das minhas metades

Uma metade sem outras partes. Desencontrei-me das partes que me encaixam, do que me preenche e me tornei a única pessoa sem outra metade. Va...
Postado por Gabrielle Pires Silva às 12:17 23 comentários
sábado, 3 de dezembro de 2011

Amor que não se envaidece

Eu amo demais. Devolvo amor até pra quem não me doa. Devolvo até o meu amor ferido por pura doçura.
Amo por depositar meu entendimento na dor do outro.
Amo sem medidas porque amar com regras é delimitar sentimento;
Definitivamente sentimento delimitado não pode ser amor.
O amor que sinto dentro de mim, não cabe no meu corpo.
Divido-o, prolifero e sinto esvair de mim o orgulho e a dureza.
Recupero-me da dor de um amor, amando o mesmo amor com a sinceridade e a prontidão de quem nunca sofreu. Meu amor ultrapassa as normas convencionais.
Sinto-me fragilizada, mobilizada e desamparada diante do orgulho capaz do desprezo. Da lamúria capaz da hostilidade.
Eu só consigo distribuir meus sorrisos esperando sorrisos coloridos de volta. Eu compartilho as minhas dores e colho as alegrias com os outros.
Porque onde encontro amor, multiplico sentimentos. Onde existem mágoas, apago com mais amor, e onde existe medo, asseguro com mais um pouco de amor.
Parece perdição, desonesto e até mesmo despudorado amar a ponto de esquecer quem te fere, mas levo a vida suave, amando até quem não me ama, encontrando só assim, amor dentro de mim.

Escrito por: Gabrielle Pires
Postado por Gabrielle Pires Silva às 15:30 32 comentários
sábado, 3 de dezembro de 2011

Amor que não se envaidece

Eu amo demais. Devolvo amor até pra quem não me doa. Devolvo até o meu amor ferido por pura doçura. Amo por depositar meu entendimento na do...
Postado por Gabrielle Pires Silva às 15:30 32 comentários