quarta-feira, 14 de abril de 2010

Olá! Bom, mais uma vez, estou participando do concurso de textos do Blorkutando, e dessa vez o tema é Paquerologia. É um pouco diferente do que eu geralmente escrevo, mas espero que gostem.

Liberdade e repressão

Por incrível que pareça, mesmo estando em pleno século XXI ainda temos dificuldade em nos expressar. Nossos antepassados lutaram tanto por liberdade de expressão e, nós, tendo isto, às vezes sentimos medo de usá-la. E com tamanha insegurança e certas vezes por falta de planejamento, metemos os pés pelas mãos quando o assunto é a conquista.

Sejamos sinceras, não queremos mais passar em frente a uma construção e ouvir um assobio, e nos sentir como ‘pedaços de carne’. Mas imagine o quão estranho seria passar e não ouvir? Iríamos questionar à nossa aparência ou acreditar que finalmente tal comportamento foi extinto? A insegurança sempre acabaria plena. E isso acontece o tempo todo.

Tornamos-nos um fruto deste meio. E já nem sabemos o que esperar quando o assunto é aquela pessoa que nos atrai. Não sabemos se devemos esperar como mocinhas, ou tomar atitudes, como mulheres evoluídas. Não sabemos se devemos dar nossos telefones, ou anotar o deles, pra ligar quando quisermos. Não sabemos se vamos ao primeiro encontro ou fingimos que temos compromisso. Isso resulta na primeira complicação num relacionamento. Nem sempre as intenções ficam realmente claras porque não se sabe quando estabelecer a verdade, totalmente direta.

Tantas vezes paira aquela dúvida: “[...] isso foi ou não uma indireta? Foi o não direcionada a mim?” A partir deste episódio subentendido, começam as cantadas indiretas, que são piores ainda. Não sabemos até onde pode ser verdade, ou até onde pode ser brincadeira, e muitas vezes não damos o real valor. Muitas vezes nos iludimos, e muitas outras nem percebemos. Justamente quando era verdadeira.

E o pior de tudo isso; - Sim, ainda pode ficar pior. Está nas oportunidades. Tantas vezes nos parecem tão unicamente raras, que nos exaltamos, e falamos milhares de coisas sem sentido. Claro, só percebemos depois que elas saem de nossas bocas como um jogo de palavras, e tentamos nos censurar, mas nos atrapalhamos ainda mais tentando consertar. Queremos parecer tão interessantes que ficamos presos numa mesmice, numa falta de criatividade, ou numa troca rasa de sorrisos amarelos.

Tudo isso por quê? Não seremos culpados, julgados e nem mesmo crucificados ao destilar a arte de ‘paquerar’. Já dizia a minha avó, todo mundo tem seus ‘paquerinhas’ e isso faz parte. Parte de nós pensa nisso. Parte de nós quer isso, mas parte de nós tem mais medo do que vontade.

Escrito por: Gabrielle Pires Silva (tequila)

Postado por Gabrielle Pires Silva às 01:45

15 comentários:

Nathy disse...

Eu sou péssima na paquera, sinceramente! rs

Gêsa disse...

Eu já passei por cada uma, normalmente fico rindo como uma boba e não consigo falar nada.

mariana disse...

aah amei *-* e varios bucados a maioria ja passou em qestao de paquera, mas nao podemos ter medo se for algo do nosso interesse, arriscar é o que há ! Paraabens !

Robson Valente disse...

OLá...!

gostei do post, bem bom..!
concordo com sua linha de pensamento em relação a liberdade..
abraço e visite

http://transpondomuralhas.blogspot.com/

Robson Valente disse...

OLá...!

gostei do post, bem bom..!
concordo com sua linha de pensamento em relação a liberdade..
abraço e visite

http://transpondomuralhas.blogspot.com/

Géssica Lopes disse...

Pois é.
Quem diria que você se tornaria
especial pra mim assim?
E que suas palavras tocariam tão
fundo no meu coração?
hahahahaha'
Acho que foram os emoticons
personalizados. :D
(GPE) Gabrielle Princesa dos Emoticons.
UAHSUAHSUAHSUHSU

Beijos.

Rodolpho Padovani disse...

Oii, sem querer parecer machista, mas as mulheres são difíceis e entender, e vcs sabem disso... hehehe, mas enfim, paquerar é algo q parece fácil na teoria, mas um pouco complicado na prática...
Valeu pela visita, comentário e por estar seguindo meu blog, volte sempre q quiser...
Tô seguindo tbm...
Bjs e ótimo resto de semana =D

Felipe disse...

Paquerar é complicado. Ainda mais se você tiver muita vergonha. (como no meu caso) Mas todo mundo tem um valor e tem que saber usá-lo na hora da paquera. Mesmo passando por momentos constrangedores.
E eu concordo com Rodolpho vocês são muitos complicadas !!!! Rá.
Gostei muito.

ana paula disse...

Eu sou péssima na paquera, sinceramente! rs*
..mais com tuudo o que você falou dá pra se dar bem, você é maravilhosa escrevendo , continue assim e espere muitas visitas minha aqui! ;♥

Pirulito que Bate-Bate disse...

Oii!

Sim, eu voltei á blogosfera. Confira meu novo espaço ;)

É dificil saber o que esperar dos paqueradores de hoje em dia. Achariamos estranho não ouvir uma cantada na frente das construções, o que sempre acontece. Algumas garotas iam sim, questionar a sua beleza. Eu acho que no fim, a boa e velha conversa/papo é a solução.

Um beijo.

yuca tequila disse...

óoooo , minha vo também falava 'paquerinha',GAYSGAYS
a paquera vem de muito tempo atras e hoje pode ate ter mudado o 'jeito de paquerar' ou até mesmo o nome 'paquera', mais todo muundo continua se paquerando,(mandei) AKSOAKOSKASK. s2 . Sério, fico mto bom o txto

Daniela disse...

como sempre adorei né, não é mais novidade po.
aah eu sou boa na pquera.. rs
quando eu realmente quero e vejo que vale a pena, mando indiretas, isso basta. se for pra ser o menino tomará a iniciativa.

beeeeijos minha linda. e oh, to amaaaaaaaaando ! *_*

Daniela disse...

esqueci de comentar no visu querida.
confesso que tinha um tempinho que não vinha aqui,adorei as novidades.
bom gosto não lhe falta..

●๋• тнαi иαรciмєитσ disse...

Gostei do seu texto. Você levantou questões interessantes de um jeito bem legal. Apesar de todo mundo paquerar ou achar que faz isso bem, nem sempre é fácil. Há sempre a possibilidade de sermos mal interpretados.

Boa sorte no BK.

Marcelle disse...

" espero que gostem "? e como poderíamos não gostar de um texto tão bem feito assim? ficou maravilhoso amiga, adorei mesmo! santo talento *-*

Postar um comentário